Bolsonaro ameaça STF com discurso golpista no 7 de setembro

 


Depois de sobrevoar a área ocupada por manifestantes na Esplanada dos Ministérios em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro subiu num caminhão e cobrou enquadramento de Alexandre Moraes para que Judiciário não sofra “aquilo que não queremos”.

Raquel Miura, correspondente da RFI em Brasília

Ao discursar para uma multidão em Brasília que pedia o fechamento do Supremo Tribunal Federal, o presidente Jair Bolsonaro fez críticas ao ministro Alexandre de Moraes e se dirigiu, em tom de ameaça, ao presidente da corte, Luiz Fux.

"Ou o chefe desse Poder enquadra o seu ministro ou esse Poder pode sofrer aquilo que nós não queremos". Na sequência os apoiadores do presidente gritaram em coro “Fora, Alexandre”.

Em um caminhão de som no gramado em frente ao Congresso Nacional, ao lado de alguns ministros e parlamentares, Bolsonaro disse que respeita a Constituição, mas que não aceitará decisões tomadas por certo integrante do Judiciário. "Nós todos aqui na Praça dos Três Poderes juramos respeitar a nossa Constituição. Quem age fora dela se enquadra ou pede para sair. Não podemos continuar aceitando que uma pessoa específica da região dos Três Poderes continue barbarizando a nossa população. Não podemos aceitar mais prisões políticas no nosso Brasil."

Ainda sobre o ministro Alexandre de Moraes, o presidente afirmou que "temos na nossa bandeira escrito ordem e progresso. É isso que queremos, não queremos rupturas, não queremos brigar com poder nenhum, mas não podemos admitir que uma pessoa tolha a nossa democracia, não podemos admitir que uma pessoa coloque em risco a nossa liberdade"

Congresso em risco

A manifestação em Brasília reuniu milhares de pessoas que se concentraram em frente à sede do Legislativo. A Polícia Militar fechou as duas ruas laterais do Congresso para impedir que os manifestantes seguissem em direção ao STF e ao Palácio do Planalto.

Bolsonaro pediu que seus apoiadores acompanhem logo mais no fim do dia o discurso que ele fará em São Paulo. Segundo informações de interlocutores do presidente, é que ele foi orientado por assessores a moderar o tom em Brasília, justamente para evitar inflamar ainda mais bolsonaristas numa área próxima aos edifícios dos três poderes.

Manifestantes levaram faixas e cartazes em apoio a Bolsonaro, pedindo a destituição dos ministros do STF. Após o discurso a multidão começou a se dispersar.