EUA aceleram vacinação e todos adultos podem estar vacinados antes de 4 de julho, antecipando meta

 

Por: Cleide Klock/RFI

Joe Biden deve anunciar ainda nesta semana um novo desafio do governo dos Estados Unidos diante das vacinas. O presidente já havia anunciado que até o dia da Independência dos Estados Unidos, comemorado em 4 de Julho, todos os americanos adultos, pelo menos, já devem estar vacinados, mas a intenção é que essa meta também seja atingida bem antes.


Quando assumiu, em janeiro, Biden prometeu vacinar 100 milhões de pessoas nos 100 primeiros dias de governo. A meta foi cumprida na sexta-feira (19), em apenas 58 dias, o que fortaleceu a imagem do governo no combate à pandemia.


Atingir a meta em pouco mais da metade do tempo, acabou sendo um grande jogo político e Biden deve acelerar esse processo ainda mais. O que tem ajudado muito é que as grandes redes de farmácia, que possuem estabelecimentos em quase toda esquina, entraram forte na aplicação de vacinas.


Duas dessas grandes redes - a Walgreens e a CVS - anunciaram que cada uma consegue aplicar pelo menos 25 milhões de doses em um mês, o que somam 50 milhões. E diante desse comprometimento do setor farmacêutico, provavelmente o presidente Biden nesta semana vai anunciar alguma meta ainda mais ousada, isso sem falar que redes de supermercado, postos de saúde, hospitais e tantos outros estabelecimentos se transformaram em locais de vacinação.


Em média, estão sendo aplicadas mais de 2,5 milhões de vacinas por dia, mas há a expectativa que esse número aumente consideravelmente, o que pode fazer com que em um mês mais de 100 milhões de pessoas possam ser vacinadas, segundo especialistas. Até agora quase 125 milhões de doses já foram aplicadas - 44 milhões de pessoas já estão completamente imunizadas e mais de 81 milhões tomaram pelo menos uma dose.


Vacinação fortalece popularidade de Biden

Pesquisas feitas na semana passada (Reuters/Ipsos) mostraram que 59% dos americanos aprovam o desempenho geral de Biden, enquanto 35% desaprovam. Mas quando o assunto era direcionado ao trabalho de Biden relacionado à pandemia, 65% dos americanos disseram aprovar o trabalho dele, e essa aprovação está diretamente relacionada à força-tarefa das vacinas e às medidas para garantir a obrigatoriedade do uso de máscaras.


A Califórnia, que em janeiro chegou ao pico de quase 60 mil casos por dia no estado, registrou na última semana uma média diária de 2.700 casos. Essa tendência de declínio está acontecendo na maioria dos estados.


No país inteiro estão sendo registrados 55 mil novos casos diariamente, o que ainda é considerado alto e o maior medo é por causa das variantes. Mas mesmo assim, vários estados já buscam uma normalidade.


Reabertura progressiva

Na grande Los Angeles os restaurantes puderam atender desde a semana passada nos espaços internos pela primeira vez desde março do ano passado. Os parques temáticos, como a Disneylândia, anunciaram que devem abrir no final de abril e as escolas públicas retornam também na segunda quinzena do mês que vem.


Nesta segunda (22), academias voltam a reabrir em Nova York mesmo com o índice de contaminação ainda alto no estado. Os cassinos de Las Vegas aumentaram a capacidade interna para 50%, o que fez com que muitas pessoas lotassem as ruas da cidade no último final de semana, já que agora também estão começando as férias de primavera e esse é um grande desafio, porque os mais jovens, que estão indo para as festas, ainda não foram vacinados.


As viagens aéreas nos Estados Unidos atingiram o nível mais alto desde a chegada da pandemia - cerca de um milhão de pessoas, em média, viajaram diariamente na última semana, e executivos de companhias aéreas disseram que as reservas para os próximos meses indicam uma ânsia dos americanos em voltar a viajar.


Mas a recomendação do CDC (Centro de controle e prevenção de doenças) ainda é para que as pessoas evitem viajar. O Dr. Anthony S. Fauci, o maior especialista em doenças infecciosas do país, alertou na sexta-feira "que é realmente muito arriscado declarar vitória antes que o nível de infecção no país seja muito inferior a 53 mil casos por dia."


Festas e manifestações em Miami 


Milhares de pessoas tomaram conta das ruas de Miami Beach no final de semana, no que mais parecia um carnaval de rua, sem máscaras e sem distanciamento social. As festas proliferaram com os turistas e jovens, o que fez com que o prefeito declarasse toque de recolher a partir de 20h até pelo menos 30 de março, com possível prorrogação até meados de abril.


Houve confronto com a polícia nesses últimos quatro dias, com multidões nas ruas, jogando objetos em policiais. Houve registro de pessoas apontando armas para o alto e atirando. Dezenas de manifestantes foram presos, inclusive com armas de fogo, e os policiais usaram balas de borracha e spray de pimenta para conter o tumulto.