MANCHETES

audima

terça-feira, 29 de outubro de 2019

A esquerda uruguaia medirá sua liderança em um segundo turno após sofrer um claro revés


O candidato presidencial Daniel Martínez ao depositar seu voto no domingo no Uruguai.ANDRÉS CUENCA (REUTERS)

A Frente Ampla vence com 38,8% dos votos de acordo com as primeiras projeções, mas a direita unida pode alcançar a presidência em novembro


MAGDALENA MARTÍNEZ
Mondevidéu 27 OCT 2019 - 22:58 BRT


As projeções das pesquisas de opinião anunciaram neste domingo uma vitória da Frente Ampla com um gosto amargo, já que a coalizão de esquerda que governa o Uruguai há 15 anos experimenta um forte revés que, disputando um segundo turno, dá uma clara vantagem ao bloco direito da direita. A Frente Ampla alcançou, segundo essas projeções, 39% dos votos, embora não sejam resultados definitivos. Assim, com relação às eleições de 2014, a coalizão liderada por Daniel Martínez teria perdido cerca de oito pontos. O grande vencedor do dia é Luis Lacalle Pou, candidato do Partido Nacional, que supera 29% dos votos e chega à segunda rodada, prevista para novembro, com muitas possibilidades de se tornar presidente.

Lacalle Pou agora tem o desafio de formar um bloco que se una ao Partido Colorado (que ultrapassa 12%) e ao Cabildo Abierto (mais de 10%), uma formação criada este ano pelo militar Guido Manini Ríos, ex-comandante do ex-chefe do Exército demitido pelo presidente Tabaré Vázquez por suas declarações contra o Executivo e a Justiça no âmbito das violações dos direitos humanos da ditadura (1973-1984).

Assim que os resultados foram conhecidos, o líder do Partido Colorado, o economista Ernesto Talvi, foi franco, pediu a votação de Luis Lacalle Pou e anunciou que faria campanha pelo Partido Nacional. A princípio, Talvi recusou uma aliança que incluía o Cabildo Abierto, embora no decorrer da campanha ele tenha mudado de posição. Por sua parte, Guido Manini Ríos também pediu a votação de Luis Lacalle Pou e anunciou acordos programáticos com as duas forças conservadoras para promover sua agenda em questões como a economia e a luta contra a insegurança.

A partir de agora, outra campanha começa, com um confronto direto entre dois projetos nacionais e dois candidatos à presidência: o engenheiro Daniel Martínez, 62 anos, e Luis Lacalle Pou, 46. Martínez, um engenheiro, ex-ministro da Indústria e ex-prefeito de Montevidéu, espera mostrar uma imagem mais confiável do que a projetada por Luis Lacalle Pou, filho e bisneto de líderes do Partido Nacional, que aparece pela segunda vez nas eleições e passou por postos de deputado e senador. Haverá também um eixo claro esquerda-direita com diferentes propostas programáticas e provavelmente um difícil confronto de ideias.

Neste domingo, um plebiscito foi apresentado por setores do Partido Nacional que propuseram uma reforma constitucional repressiva em resposta à insegurança cidadã. Mas, de acordo com as projeções, a plataforma “Vivir sin Miedo” (viver sem medo) não logrou seus objetivos e não alcançou 50% dos votos para introduzir medidas como a pena permanente de prisão e a criação de uma Guarda Nacional com membros das Forças Armadas, entre outros.