Navigation Menu

Estados Unidos são os maiores produtores de lixo doméstico do mundo

Lixo doméstico do Canadá enviado às Filipinas, sendo verificado por funcionários do país asiático no porto de Manila, em 29 de junho de 2019.BAN Toxics/Handout via REUTERS

Primeira potência mundial e maior produtor mundial de lixo doméstico. Os Estados Unidos são o país que produz a maior quantidade de resíduos per capita do planeta entre as nações desenvolvidas. Além disso, é um dos que menos recicla. A informação é do relatório da consultoria britânica Verisk Maplecroft, publicado nesta quarta-feira (3).


Como lixo doméstico os especialistas consideram todos os resíduos sólidos, ou seja, alimentos descartados, plásticos e dejetos diversos, que são coletados pelos municípios. Por este critério, o mundo gera uma média de 2,1 bilhões de toneladas de detritos por ano, o suficiente para encher mais de 820.000 piscinas olímpicas. Apenas 16% do total é reciclado, de acordo com o relatório.

Os habitantes e os comerciantes americanos são de longe os que produzem mais detritos por pessoa entre os países mais ricos: em média 773 quilos por ano, mais de três vezes mais que a média mundial e sete vezes mais que os etíopes.

A Etiópia, um dos países mais pobres do mundo, é o que produz menos lixo.

Reciclagem

Segundo o documento, a primeira economia do mundo não tem a capacidade de seleção para absorver todo o lixo doméstico que produz, o que representa uma ameaça ao meio ambiente. A reciclagem nos Estados Unidos é uma das piores entre os países desenvolvidos, com apenas 35% de coleta seletiva. O país está muito atrás da Alemanha, a campeã mundial, que recicla 68% de seus detritos. Ele perde apenas para a Espanha no grupo das 20 nações que mais reciclam.

O relatório adverte que a decisão súbita da China, em 2018, de parar de aceitar resíduos plásticos do resto do mundo, seguida por outros países do Sudeste Asiático, pode complicar ainda mais a situação de grandes produtores de resíduos. Alguns países decidiram proibir produtos plásticos, sejam eles sacos ou descartáveis. No entanto, a produção mundial de plásticos cresceu em 2018, impulsionada pela Ásia e pelos Estados Unidos, segundo a federação PlasticsEurope.