MANCHETES

audima

sábado, 27 de julho de 2019

Dólar tem maior alta semanal em 2 meses com atenção a políticas monetárias


REUTERS/Mohamed Abd El Ghany

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar caiu ante o real nesta sexta-feira, influenciado por fluxos pontuais para a Ptax em dia de leilão de linhas do Banco Central. Na semana, contudo, a moeda acumulou a maior alta para o período em mais de dois meses, em meio a ajustes nas expectativas para alívio monetário pelos principais bancos centrais.

O dólar à vista fechou esta sexta-feira em queda de 0,24%, a 3,7734 reais na venda. Na semana, o dólar acumulou valorização de 0,75%, a mais forte desde a semana encerrada em 17 de maio (+4,00%).

O dia foi de fluxos específicos para a Ptax, próximo do momento em que o Banco Central acolheu propostas para leilão de 1 bilhão de dólares em linhas com compromisso de recompra. “O mercado ‘bateu’ no dólar antes do leilão para tomar esses dólares a preços melhores e acabou mantendo a cotação em patamares mais baixos”, disse Thiago Silencio, operador de câmbio da CM Capital Markets.

Com a operação do BC, a taxa do casado (cupom cambial de curtíssimo prazo) caiu para a faixa de 5,3%, de 6% da véspera. No fim do mês, essa taxa costuma ficar mais pressionada, devido a fluxos sazonais de saída.

Para o médio prazo, estrategistas do Citi acreditam que o real deverá operar em linha com as demais moedas emergentes.

“A reforma da Previdência está praticamente toda nos preços, mas o BC vai cortar os juros. A queda da Selic faz do Fed ‘dovish’ mais importante do que nunca para a taxa de câmbio local”, disseram os profissionais em nota.

O cenário de redução adicional desse spread —que já está nas mínimas históricas— é um dos argumentos citados por analistas para justificar a expectativa de que o real não mostre forte valorização até o fim do ano. O mercado como um todo vê o dólar em 3,75 reais ao fim deste ano, praticamente estável frente aos patamares atuais.