Navigation Menu

Sem base parlamentar, Bolsonaro aposta nas ruas para emparedar Congresso


Wilson Witzel e Bolsonaro no Rio.  AFP

Presidente morde e assopra ao falar do Parlamento num único dia, mas segue incentivando manifestação de apoiadores no próximo doming. Movimentos do impeachment se descolam do "bolsonarismo puro"


AFONSO BENITES/EL PAÍS
Brasília 21 MAI 2019 - 17:44 BRT
De manhã, o presidente Jair Bolsonaro mordeu. Em discurso, desqualificou o establishment político do qual ele faz parte há três décadas. “O Brasil é um país maravilhoso, que tem tudo para dar certo. Mas o grande problema é a nossa classe política”. Na sequência, provocou os deputados. “Se a Câmara e Senado têm propostas melhores que a nossa, que ponham em votação”. À tarde, em outro evento nesta segunda-feira, ele assoprou. “Nós valorizamos, sim, o Parlamento brasileiro, que vai ser quem vai dar palavra final nesta questão da Previdência, tão rejeitada nos últimos anos”.


O vai-e-vem de discurso não altera, por ora, o plano A do bolsonarismo nesta semana: a tentativa do presidente de emparedar os parlamentares transformando a mobilização de seus seguidores nas redes sociais em um movimento de rua, no próximo domingo, dia 26 de maio. O discurso que fala do presidente como refém do Parlamento e da "velha política" —e que por vezes menciona até o fechamento do Congresso como medida— está espalhado pelos grupos de WhatsApp bolsonaristas que foram centrais na campanha eleitoral. Tem sido estimulados, mais ou menos explicitamente, por parte do bolsonarismo puro, do clã familiar a nomes ligados ao escritor Olavo de Carvalho, como o assessor da presidência, Filipe Martins. A movimentação no mundo virtual inspira a desconfiança em Brasília, pois trata-se de um terreno onde os “radicalismos se sobrepõem ao diálogo", conforme definiu nesta segunda o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

A prova para saber se a estratégia dará certo ou não dependerá do impacto das manifestações que os bolsonaristas planejam em apoio ao Governo em ao menos 50 cidades brasileiras. Será uma espécie de desagravo ao presidente, já que no último dia 15 de maio, milhares de pessoas estiveram nas ruas protestando contra o contingenciamento de 30% dos recursos da educação. Outro ato com a mesma temática está programado para o dia 30.

No caso dos protestos a favor de um presidente que governa há menos de cinco meses e tem a mais baixa popularidade para uma mandatário em primeiro mandato desde 1992 (cerca de 35% de aprovação), não está claro totalmente quem são, de fato, seus organizadores. Se são partidos políticos (ou ao menos o seu, o PSL), sociedade civil, ou grupos organizados, como o dos caminhoneiros. “Não se trata de um terceiro turno eleitoral. São atos convocados por militantes. Eu mesma decidi aderir depois que vi nas redes sociais”, afirmou a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), uma das mais ferrenhas defensoras de Bolsonaro no Congresso.

Dentro do próprio PSL e entre os ativistas da direita, como o Movimento Brasil Livre ou o Vem Pra Rua a adesão não é automática, pelo contrário. Tido como um dos principais ativistas que atuaram pelo impeachment de Dilma Rousseff (PT) e consequente eleição de Bolsonaro, o MBL anunciou no fim de semana que não apoia o protesto. Em seu Twitter, Renan Santos, um dos líderes do grupo, disse que a manifestação força a barra contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal e também assusta os militares. “Tudo o que pretendem é criar o caos. Apenas na bagunça sobrevivem. Pediram intervenção em 2014, invasão do congresso em 2015, revolução caminhoneira em 2018 e agora acham que a chance real pintou”, afirmou Santos.

Nas hostes do partido presidencial, a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP), que chegou a ser cotada para ser vice de Bolsonaro, afirmou que não apoia as manifestações porque elas não têm racionalidade. “O presidente foi eleito para governar nas regras democráticas, nos termos da Constituição Federal. Propositalmente, ele está confundindo discussões democráticas com toma-lá-dá-cá”, afirmou a parlamentar também pelo Twitter.

“O PSL está unido. Só a Janaína que é contra”, minimizou a deputada Kicis. Segundo ela, o MBL foi um importante movimento conservador a atuar contra a gestão petista, mas não são fundamentais para dar sustentação ao Governo. “Eles não são os donos das ruas nem das manifestações da direita”, ponderou. De acordo com essa parlamentar, o protesto servirá para pressionar os parlamentares a aprovarem três projetos governistas: a reforma da Previdência, o pacote anticrime de Sergio Moro e a medida provisória 870 – a reforma administrativa responsável por reduzir de 29 para 22 o número de ministérios.


Enquanto isso no Congresso, o Governo se depara com onze medidas provisórias em vias de perderem seu prazo de validade. Bolsonaro não tem base de apoio: 305 deputados de 21 partidos se declaram independentes e outros 134 parlamentares de seis legendas se dizem opositores. Restam os 54 governistas do PSL e outros 20 que a reportagem não localizou suas lideranças para que elas se manifestassem sobre seus posicionamentos políticos.

Sem esse apoio, Bolsonaro coloca em risco também sua reforma da Previdência. No fim da semana passada, circulou-se entre a classe política a informação de que um novo projeto estaria sendo elaborado pelo parlamento a fim de alterar a proposta do Governo. Rapidamente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o secretário de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, reuniram-se com Maia e com o relator da reforma, Samuel Moreira (PSDB-SP), para tentar aparar quaisquer arestas. “O que houve foi um ruído de comunicação. As alterações poderão ocorrer em cima do projeto apresentado pelo Governo, como sempre foi no parlamento”, minimizou Marinho.