MANCHETES

audima

segunda-feira, 13 de maio de 2019

Polícia prende suspeita de aplicar golpe e acusar Padre Marcelo Rossi de plágio

Izaura de Mello em foto com o padre Marcelo Rossi em um evento sobre o livro Ágape — Foto: Reprodução/Redes Sociais.

Presa por estelionato, Izaura Mendes disse que 'Ágape' foi plagiado e pediu R$ 51,6 milhões de indenização. Investigação aponta que ela falsificou documentos da Biblioteca Nacional.


A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu, na manhã de quinta-feira (9), Izaura
Garcia de Carvalho Mendes, de 65 anos, suspeita de praticar estelionato ao aplicar um golpe milionário no padre Marcelo Rossi.

Uma investigação da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPim), da Polícia Civil, mostra que Izaura fraudou o registro de um texto e, em processo na Justiça, alegou que o padre o copiou e o usou sem dar crédito no livro "Ágape".

O livro vendeu 10 milhões de exemplares entre 2010, quando foi lançado, até abril deste ano, quando foi retirado de circulação por uma decisão judicial movida por ela. Em 2013, Izaura fez um acordo com a Editora Globo e recebeu R$ 25 mil numa primeira ação.

Em uma nova ação contra a editora do livro, que manteve na obra o trecho que Izaura diz ser seu, a Justiça determinou, em 11 de abril passado, a proibição de venda do "Ágape" e o recolhimento de todos os livros que estão no mercado. Agora, o pedido de Izaura é por uma indenização de R$ 51,6 milhões.

Questionada sobre a suspeita de que o registro do texto foi forjado, Izaura respondeu ao delegado Maurício Demétrio: "Eu não tenho a dizer nada, porque foi o (documento de autoria do texto) que eu recebi lá na época".

A polícia suspeita que duas advogadas, também presas, auxiliaram a mulher na possível fraude. O processo tramita na Vara Empresarial do Tribunal de Justiça de Rio.

Procurado pela equipe de reportagem, o Padre Marcelo não quis gravar entrevista mas informou que perdoa Izaura.
Continua no G1...