Navigation Menu

Motorista morre baleado depois de fugir e reagir a abordagem policial em Curitiba, diz PM

Caso ocorreu na Praça da Espanha, em Curitiba, na madrugada deste domingo (12) — Foto: Tony Mattoso/RPC

Caso ocorreu na madrugada deste domingo (12), na Praça da Espanha; policiais apreenderam uma pistola no carro do condutor.


Andrei Gustavo Orsini Francisquini, de 35 anos, morreu após reagir a uma abordagem policial no Centro de Curitiba durante a madrugada deste domingo (12).

Andrei foi assessor do deputado estadual Luiz Claudio Romanelli (PSB) na Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (Alep). Atualmente, ele trabalhava em uma rádio de Curitiba, e fazia um programa sobre economia quântica.

Segundo a Polícia Militar (PM), o motorista foi abordado na Rua Vicente Machado, mas não obedeceu a ordem de parada e fugiu. Houve perseguição policial e, ao chegar na Praça da Espanha, o veículo foi cercado.

O condutor reagiu como se fosse atirar nos policiais, ainda conforme a PM, e foi baleado. Ele morreu antes da chegada do Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate).

Conforme o tenente Carassai, o carro não tinha alerta de roubo. Uma pistola, que estava com o motorista, foi apreendida.

No momento dos disparos, havia dezenas de pessoas na praça, mas ninguém ficou ferido.

O que diz a PM
Em nota, a PM disse que para toda ocorrência deste tipo, envolvendo policial militar e equipamentos da corporação, é aberto um procedimento para apurar as circunstâncias.

O texto diz ainda que o veículo já havia fugido de uma abordagem policial em 30 de março deste ano, após o condutor ter sido visto efetuando disparos de arma de fogo em via pública.

"Também consta no sistema um encaminhamento deste mesmo homem, em 2015, na cidade de Jacarezinho por conduzir veículo com CNH cassada, quando também fugiu da polícia", diz trecho da nota.

Investigações
O pai da vítima Benedito Francisquini, que mora em Santo Antônio da Platina, no norte pioneiro do Paraná, questiona a afirmação que o filho estava armado.

"É difícil acreditar que o meu filho estivesse manuseando uma arma. Ele pode ter fugido da polícia porque provavelmente tomou alguma coisa e ia fazer o bafômetro. Eu espero uma investigação rigorosa", disse ele.

 Andrei Gustavo Orsini Francisquini morreu após reagir a uma abordagem policial no Centro de Curitiba — Foto: Arquivo pessoal