MANCHETES

audima

terça-feira, 16 de abril de 2019

Museu de História Natural de NY rejeita sediar homenagem a Bolsonaro

Bolsonaro discursa na cerimônia de 100 dias de Governo.  REUTERS


Instituição negociou cancelamento de evento da Câmara de Comércio Brasil-EUA que agraciaria presidente. Museu disse não concordar com "os objetivos declarados" do Governo




O Museu Americano de História Natural de Nova York informou nesta segunda-feira que não abrigará o evento da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos no qual o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, receberá o prêmio de "Pessoa do Ano". O tradicional museu da cidade já havia demonstrado nos últimos dias preocupação com a realização do jantar de gala no local por conta dos "objetivos declarados da atual administração brasileira" e optou por  informar a recusa a sediar o evento por meio de sua conta oficial no Twitter.

"Com respeito mútuo pelo trabalho e pelos objetivos de nossas organizações individuais, concordamos em conjunto que o museu não é o local ideal para o jantar de gala da Câmara de Comércio Brasil-EUA. Este tradicional evento terá lugar em outro local na data e hora originais", informou o museu, em português. Antes, a instituição também utilizou a língua portuguesa para "agradecer às pessoas que expressaram sua opinião sobre o evento", "deixar claro que o museu não convidou o Presidente" e se declarar "profundamente preocupados" com a homenagem a Bolsonaro. Houve movimentos online, incluindo uma petição, pedindo que o museu se recusasse a abrigar o evento.

Em fevereiro, o presidente foi escolhido como "Pessoa do Ano" pela Câmara de Comércio, que premia há 49 anos líderes brasileiros e americanos reconhecidos por se esforçar para aproximar diplomaticamente Brasil e EUA. Na época, a câmara afirmou que o prêmio era um "reconhecimento de sua intenção fortemente declarada de fomentar laços comerciais e diplomáticos mais próximos entre Brasil e Estados Unidos, e seu firme comprometimento em construir uma parceria forte e duradoura entre as duas nações". Sergio Moro, então juiz responsável pela Operação Lava Jato, foi o homenageado em 2018. No ano anterior, João Doria, prefeito de São Paulo na época, foi o escolhido.

O Museu de Nova York, que é a maior instituição de história natural do mundo e completou 150 anos no último dia 6 de abril, abrigou o evento da Câmara quando este homenageou Doria e Moro. O perfil da organização no Twitter também informou que o jantar acontecerá em outro local, na mesma data: 14 de maio.