MANCHETES

audima

quinta-feira, 18 de abril de 2019

Calculadora da Previdência: quantos anos você terá que trabalhar?





Simule o impacto da reforma da Previdência na sua aposentadoria, calculando com quantos anos você poderá se aposentar recebendo o benefício integral


Desenvolvimento: Carlos Marin / Design: Bruno Ponceano / Texto: Augusto Conconi e Rodrigo Menegat / Consultoria: Planejar





Uma ferramenta criada pelo Estado, em parceria com a Associação Brasileira de Planejadores Financeiros, permite que você calcule o tempo necessário para se aposentar recebendo o benefício integral, caso a reforma da Previdência seja aprovada. A calculadora compara a regra vigente ao projeto apresentado pelo Governo Federal.

Para ganhar o benefício integral, nas regras atuais, o trabalhador precisa ter no mínimo 30 anos de contribuição. Caso escolham se aposentar através da modalidade de pontos, homens precisam ter contribuído por ao menos 35 anos, contra 30 das mulheres.

Com a reforma, para receber o benefício integral, o tempo mínimo de contribuição passa a ser 40 anos – inclusive para quem estiver na regra de transição.

A calculadora desenvolvida pelo Estado, até o momento, funciona apenas para contribuintes do setor privado (como pessoas de carteira assinada). A ferramenta não leva em conta se o trabalhador atua em zona rural, se é professor, servidor público ou militar.

VALOR DO BENEFÍCIO INTEGRAL
Existe uma diferença entre o valor do benefício integral e o porcentual deste benefício que o trabalhador recebe. A calculadora informa quando um trabalhador poderá se aposentar recebendo 100% do seu benefício integral, mesmo que ele possa se aposentar antes e receber um porcentual menor de seu benefício.

Hoje, o valor do benefício integral equivale à média dos 80% maiores salários recebidos pelo trabalhador. Por exemplo, caso alguém tenha contribuído por 20 anos para a Previdência, mas recebendo R$ 2.000 durante quatro deles e R$ 4.000 durante o restante, o cálculo levará em conta apenas os anos de pagamentos mais altos. São considerados os pagamentos feitos desde 1994, quando o Real se tornou a moeda do País.

De acordo com as regras propostas na reforma, o benefício será calculado a partir de todos os salários recebidos, também desde o Real. Assim, como os períodos de menor pagamento não são descartados na hora de fazer a conta, é muito provável que o trabalhador receba menos do que pela regra atual, caso tenha períodos de menor remuneração em sua carreira.

A calculadora será atualizada conforme houver alterações na proposta da reforma da Previdência. 
Nenhuma informação inserida pelo usuário na calculadora é armazenada.

METODOLOGIA
Tanto o documento que lista as regras aplicadas à calculadora quanto o algoritmo por trás da ferramenta estão disponíveis para consulta no GitHub do Estadão.

EXPEDIENTE

EDITOR EXECUTIVO DE ARTE:
Fabio Sales / 
EDITORA DE INFOGRAFIA:
Regina Elisabeth Silva /
EDITOR ASSISTENTE DE INFOGRAFIA:
Vinicius Sueiro / 
EDITOR DE ECONOMIA /
Alexandre Calais