Navigation Menu

É possível recuperar o tempo de sono perdido?




Estudo sugere que dormir muito durante o fim de semana não melhora e inclusive piora os problemas metabólicos causados pela falta de sono



EL PAÍS
A falta de sono aumenta o risco de obesidade ou diabetes e alguns pesquisadores, como propôs o pesquisador da Universidade de Stanford (EUA) Luis de Lecea, afirma que ela deveria ser considerada um “problema de saúde pública”. Entretanto, medir com precisão quanto e como dormem os cidadãos em sua vida diária é complicado e os resultados do estudo da falta de sono sobre a saúde nem sempre foram conclusivos. Como tendência geral, parece que tanto o excesso quanto a carência de sono em relação às sete ou oito horas diárias recomendadas estão relacionados com um aumento da mortalidade. Mas, além disso, os cientistas querem saber se o fim de semana pode servir para compensar as noites com menos horas de sono da semana de trabalho.

Um grupo de pesquisadores da Universidade do Colorado, em Boulder (EUA), mediu os efeitos de dormir sem limites durante o fim de semana para compensar os problemas metabólicos de dormir pouco durante a semana. Um estudo liderado por Kenneth Wright, publicado  pela revista Current Biology, explica que os voluntários que participaram do experimento foram divididos em três grupos. No primeiro, dormiram nove horas por dia durante nove noites, no segundo cinco horas por dia durante a semana e tudo o que quiseram durante o fim de semana, e no terceiro cinco horas durante os nove dias que durou a experiência.

As pessoas dos grupos que dormiam menos costumavam beliscar mais depois do jantar e tiveram um aumento de peso. Essa tendência se reduziu durante o fim de semana no grupo que tinha esses dois dias para recuperar o sono perdido durante a semana, mas depois sofreu um efeito rebote. As refeições fora de hora aumentaram, o peso aumentou e diminuiu a sensibilidade à insulina, um hormônio essencial para assimilar nos músculos ou no fígado o açúcar que obtemos dos alimentos. A resistência à insulina está na origem do diabetes. Nesse sentido, os autores acrescentam que aqueles que recuperaram as horas de sono durante o fim de semana também sofreram consequências negativas ao atrasar seu relógio circadiano. “Essa descoberta é algo imprevisto e mostra que o tempo de recuperação do sono durante o fim de semana provavelmente não é uma medida eficaz para contrabalançar os problemas metabólicos quando a perda do sono é crônica”, observam os autores.

Dolores Corella, pesquisadora da Universidade de Valência e chefe de grupo do CIBEROBN (grupo de pesquisa dedicado à obesidade e à nutrição), explica que esse tipo de trabalho está cercado de controvérsias. “No início se dizia que se devia manter um padrão estável, mas estudos mais recentes, particularmente um sueco, no qual foram acompanhadas mais de 40.000 pessoas — em que algumas dormiam pouco durante a semana e durante o fim de semana, outras dormiram bem com um padrão constante e outras que recuperavam o sono durante o fim de semana —, constatou que é possível recuperar e que a média é importante”, afirma. “Essa corrente agora estava se impondo”, acrescenta. Sobre o estudo norte-americano em particular, Corella aponta que sendo um estudo de curta duração e com poucas pessoas, os resultados devem ser tomados com cautela antes de extrapolá-los à sociedade em geral.