Descoberta de ossos no Vaticano ressuscita o macabro caso de uma garota desaparecida há 35 anos - JORNAL DE IBAITI

Descoberta de ossos no Vaticano ressuscita o macabro caso de uma garota desaparecida há 35 anos

Promotor de Roma investiga se os restos, encontrados nas dependências da Santa Sé, pertencem à menina desaparecida há 35 anos, cujo sequestro salpicou a Máfia e os serviços secretos.



Uma macabra descoberta vinda dos subterrâneos do Vaticano deixou toda a Itália arrepiada nesta terça-feira. A Santa Sé informou em um comunicado emitido pela manhã que ossos humanos haviam sido encontrados na véspera durante obras na nunciatura apostólica em Roma. O mesmo calafrio percorreu a espinha de todos os italianos, que pensaram ao mesmo tempo na mesma pessoa. O Ministério Público de Roma, dirigido por Giuseppe Pignatone, um especialista em Máfia, disse o nome e anunciou uma investigação sobre a possibilidade de que se trate dos restos de Emanuela Orlandi, a menina que desapareceu há 35 anos e cujo sequestro salpicou o Vaticano, a Máfia, os serviços secretos e a loja maçônica P2.

O caso Orlandi é o olho do furacão de crimes sem solução na Itália. Contém todos os ingredientes e em algum momento salpicou a maioria dos grandes poderes do país. A menina desapareceu em 22 de junho de 1983, por volta das 19h, quando saía de sua aula de flauta, em um edifício grudado à basílica de São Apolinário, junto à praça Navona, em Roma. Tinha 15 anos, era filha de um funcionário do Vaticano que trabalhava diretamente com o Papa, e sempre se pensou que seu sequestro podia ter sido usado para pressionar a Santa Sé por causa dos segredos que o pai guardava.

A polícia investiga agora a idade e o sexo do cadáver. Os dados serão comparados ao DNA dela e de Mirella Gregori, outra garota de 15 anos que desapareceu naquele ano sem deixar rastros. Mas Orlandi, de quem até Ali Agca, o turco que tentou assassinar João Paulo II, disse ter informações —afirmou publicamente que foi sequestrada para servir como moeda de troca para a libertação de Agca— formou um turbilhão de podridão dentro do esgoto italiano, que terminou envolvendo a cúpula do Vaticano, os serviços secretos e, claro, a Máfia. Ninguém jamais conseguiu encontrar a menina, ou mesmo uma pista realmente convincente. Mas, de vez em quando, alguém dizia saber onde se encontrava.

A última vez foi assim, no Chi l’ha Visto, um programa da RAI dedicado a buscar pessoas desaparecidas:

– Para saber mais sobre Emanuela, olhem na tumba de De Pedis e verifiquem o favor que o cardeal Poletti lhe fez.

De Pedis era Renatino, o capo da organização criminosa La Magliana. O mais parecido com uma máfia que Roma já teve. E aquele gângster decidiu fazer um modesto donativo (450.000 euros, quase 1,9 milhão de reais) para que fosse enterrado na cripta de uma pequena basílica. Era, por acaso, o templo vizinho à escola de música onde se perdeu o rastro da pequena Orlandi.

A família da desaparecida, cujo irmão sempre manteve a esperança de encontrá-la com vida, redobrou a pressão e ao cabo de alguns anos, em 14 de maio de 2012, rodeada de um fabuloso circo midiático, a polícia científica abriu um sarcófago de mármore em busca da garota. Lá estava Renatino, isso já se sabia. Conseguira ser enterrado num lugar reservado aos cardeais. E também centenas de ossos de cadáveres que remontavam a uma vala do século XVIII, e que durante vários dias tiveram que ser arquivados um a um em 400 caixas. Mas da menina Orlandi, como tinha insinuado aquela misteriosa voz que alguns correram a relacionar com o poderoso cardeal Paul Marcinkus, ex-presidente do Banco Vaticano, nunca houve nem rastro.

Cartaz com o qual a família de Orlandi empapelou toda Roma quando a menina desapareceu.
A acusação mais direta foi de Sabrina Minardi, a namorada de Renatino. Diante de um juiz, alegou que a moça foi sequestrada e assassinada por De Pedis cumprindo ordens de Marcinkus, porque seu pai, Ercule, funcionário da prefeitura da Casa Pontifícia, tinha visto sem querer documentos comprometedores para o Vaticano. Supostamente, Renatino tinha contado isso a Minardi quando estava entupido de cocaína. Pouco tempo depois, em 2 de fevereiro de 1990, seus próprios sócios da quadrilha o vararam a tiros em plena luz do dia na Via del Pellegrino, no centro de Roma. Renatino levou os segredos para o túmulo (aquele da basílica).

Mas não terminou por aí. Há exatamente um ano, Emiliano Fittipaldi, um midiático jornalista envolvido em investigações no Vaticano e autor de vários livros sobre a Santa Sé, divulgou a descoberta de um documento obtido num cofre do Vaticano. Cinco páginas datadas de março de 1988, sob o título Relatório sumário sobre os gastos sustentados pelo Estado da Cidade do Vaticano para as atividades relativas à cidadã Emanuela Orlandi (Roma, 14 de janeiro de 1988). Ou seja, uma espécie de recibo do dinheiro que a Santa Sé teria retirado de seus recursos secretos a fim de manter Orlandi afastada para sempre dos holofotes. Teriam sido 500 bilhões de liras (cerca de 3,3 bilhões de reais, em valores atuais) postos à disposição de Teofilo Benotti para bancar as relações com a imprensa que seguia o caso, gastos por consultas ginecológicas… e viagens que o então chefe dos guardas do Vaticano, Camillo Cibin, faria a Londres com o médico pessoal do papa João Paulo II, Renato Buzzonetti.

Um relato surrealista que o Vaticano, através de seu porta-voz, desmentiu e qualificou como “ridículo”. Mas o caso Orlandi aguenta tudo. A nunciatura apostólica onde foram encontrados os ossos é o lugar onde trabalhou monsenhor Vergari, o único prelado a ser investigado neste caso. Um padre que, por acaso, o capo Renatino (suposto sequestrador da menina) conheceu na prisão e que recebeu o donativo de 450.000 euros em troca de que seu cadáver fosse enterrado na basílica de São Apolinário. Nesta terça-feira, a Santa Sé preferiu lançar um sucinto comunicado antes que o Ministério Público confirmasse que investigava novamente sua relação com o famoso desaparecimento.

CONVERSAÇÃO