Especialistas comentam maior taxa de abstenção na eleição presidencial desde 1998 - JORNAL DE IBAITI

Especialistas comentam maior taxa de abstenção na eleição presidencial desde 1998




O segundo turno das eleições teve a maior abstenção desde 1998: 31.370.372 de brasileiros não foram às urnas neste domingo. Esse total representa 21,3% do eleitorado brasileiro. Além disso, foram 2.486.571 (2,14%) de votos em branco e 8.607.999 (7,43%) de votos nulos.

Em entrevista à Sputnik Brasil, Antônio Marcelo Jackson, cientista político da UFOP — Universidade Federal de Ouro Preto, atribui essa taxa a "falta de informação" sobre as propostas dos candidatos por não ter ocorrido nenhum debate entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) durante o segundo turno.

"Vamos pensar em um eleitor de centro, que acaba caindo hora para um lado, hora para outro. Esse eleitor está interessado em principalmente ouvir alguma coisa a partir do enfrentamento entre os candidatos. Na medida que isso não acontece e parte da imprensa também se recusou a entrevistar o candidato do PT então esse eleitor está desinformado, e se ele está desinformado qual o interesse que ele vai ter em escolher alguma coisa? Ele acaba ficando refém dessa desinformação", disse.

Já o percentual de votos nulos no segundo turno das eleições presidenciais de 2018 chegou a 7,4%, o maior registrado desde 1989, totalizando 8,6 milhões. Foi um aumento de 60% em relação ao 2º turno da última eleição presidencial, em 2014, quando 4,6% dos votos foram anulados.

Antônio Marcelo Jackson chama atenção para a região onde estão concentrados a maioria dos eleitores que decidiram não escolher nenhum dos candidatos nessas eleições.

"Quando você olha o mapa das abstenções, brancos e nulos esse percentual foi na verdade fortíssimo em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. É um dado interessante, quando você vai para o Nordeste, Sul e Norte do país as abstenções, brancos e os nulos são um índice bem menor. Foi o eleitor do Sudeste que se desinteressou", destacou.
Já para o cientista político Ricardo Ismael, professor da PUC-RJ, o alto índice de abstenção pode ser atribuído a duas razões. Uma delas seria o envelhecimento da população.

"A população brasileira está envelhecendo e está aumentando o número de pessoas que o voto é facultativo, são as pessoas acima de 60 anos", disse.

Outro motivo, segundo Ricardo Ismael, seria o desinteresse da população nos dois candidatos que foram ao segundo turno.

"Em algumas situações também, não estando o candidato que a pessoa deseja no segundo turno, ela se desinteressa e prefere pagar a multa porque não está apoiando nenhum dos dois", comentou.Em 1994, quando o tucano Fernando Henrique Cardoso foi eleito no primeiro turno, a abstenção chegou a 29,3% do eleitorado. Na eleição seguinte, o índice caiu para 21,5% do total de eleitores aptos a votar.

A partir das eleições de 2002, a taxa de abstenção ficou abaixo de 20%. Em 2002, quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva derrotou o tucano José Serra, no segundo turno, os não votantes foram 17,7% dos eleitores.

Na reeleição de Lula, em 2006, foi registrado o menor índice do período: 16,8% do eleitorado. Na primeira eleição da petista Dilma Rousseff, a taxa de abstenção ficou em 18,1%. Na reeleição da petista, chegou a 19,4% do eleitorado.

CONVERSAÇÃO