Ativistas pedem destruição de "varanda de Hitler" em Viena - JORNAL DE IBAITI

Ativistas pedem destruição de "varanda de Hitler" em Viena







Sacada na prefeitura foi construída para um discurso do ditador nazista em abril de 1938, pouco depois da anexação da Áustria. Autoridades preferem mantê-la para preservar memória.

Ativistas da iniciativa Memory Gaps exigiram a remoção de uma sacada no edifício da prefeitura de Viena, por ter sido de lá que Adolf Hitler fez um discurso à população em 1938.

Hitler fez o discurso em 9 de abril de 1938, a partir de uma varanda improvisada de madeira especialmente construída na imponente torre principal no centro da fachada neogótica do edifício. Posteriormente, a sacada de madeira foi substituída por uma sacada permanente de pedra.

Com o passar dos anos, a origem da construção da varanda desapareceu em grande parte de memória coletiva, mas o grupo de ativistas entrou com um pedido pela sua destruição. Os ativistas argumentaram que, além de toda a bagagem histórica, a varanda viola a linha arquitetônica da torre principal.

"Como alternativa, esta varanda historicamente contaminada poderia ser usada pela última vez para um discurso de paz e de despedida reconciliatória em 12 de novembro, quando é celebrado o 100º aniversário da fundação da República da Áustria", sugeriram os ativistas. O ano de 2018 marca também os 80 anos da anexação da Áustria pela Alemanha nazista.

As autoridades de Viena, aparentemente, foram pegas de surpresa pela proposta. A mais alta funcionária cultural da capital austríaca, Veronica Kaup-Hasler, disse que felicita o debate e o fato de ter chamado a atenção para um detalhe esquecido da história da prefeitura. Mas afirma que prefere a manutenção da varanda, acompanhada de uma explicação mais clara sobre sua história.

A diretora da comissão responsável por pesquisar e devolver bens roubados pelos nazistas, Eva Blimlinger, concordou. "Como tudo o que resultou do nacional-socialismo, essa varanda faz parte de nossa história", disse ela em entrevista ao diário local Kurier.

A anexação de 1938 foi bem recebida por uma ampla faixa da população austríaca. Pouco tempo depois, Hitler realizou outro discurso famoso na sacada do Palácio Imperial de Hofburg, também em Viena, em 15 de março, três dias após a anexação.

A relação da Áustria com o seu passado nazista continua sendo uma questão difícil – e não somente porque a legenda de extrema direita Partido da Liberdade (FPÖ) assumiu o governo no ano passado.

No início deste mês, o vice-chanceler federal da Áustria e líder do FPÖ, Hein-Christian Strache, causou controvérsia quando desvelou um monumento às mulheres que removeram das ruas destroços durante a Segunda Guerra. Críticos acusaram Strache de tentar reabilitar a reputação de algumas mulheres simpatizantes do nazismo.

PV/afp/ots

CONVERSAÇÃO