Mais Lula, menos Dilma: a promessa econômica de Haddad para atrair o centro - Jornal de Ibaiti

Mais Lula, menos Dilma: a promessa econômica de Haddad para atrair o centro

Petista escanteia Marcio Pochmann e divulga a mensagem de que questão fiscal em seu governo será importante, mas calibra discurso para rechaçar ajuste radical de ex-ministro da Fazenda de Dilma





Quando o jornal O Estado de S.Paulo realizou, no final de agosto, uma série de sabatinas com os formuladores das propostas econômicas de cada um dos presidenciáveis, o Partido dos Trabalhadores apontou como seu representante o ex-presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Marcio Pochmann. Aos 56 anos e professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Pochmann tem larga militância no PT — atualmente é candidato a deputado federal e presidente da Fundação Perseu Abramo, braço formativo do partido. Ele é também um dos maiores representantes da ala mais desenvolvimentista do petismo: na sabatina do Estadão, por exemplo, disse que a Previdência “não precisa de uma reformulação geral”, mas de “mudanças pontuais”. Frases que soam a heresia nos ouvidos do mercado financeiro.

Menos de um mês depois, o tradicional programa de entrevistas Roda Viva, da TV Cultura, organizou uma edição com economistas indicados pelos principais candidatos à Presidência da República. Na bancada reservada ao PT já não estava Pochmann, mas o economista Ricardo Carneiro. Também professor da Unicamp, Carneiro está muito longe de ser um liberal, mas o fato de ele ter sido escalado para participar do encontro televisivo — e o que ele disse ali — é sintomático de um passo que o agora candidato da sigla, Fernando Haddad, começa a ensaiar. Consolidado no segundo lugar nas pesquisas de opinião, Haddad passou a enviar sinais públicos de que, se eleito, não dará um “cavalo de pau” à esquerda na economia e de que quer preservar pontes com o setor financeiro.

“O Ricardo [Carneiro] é mais cuidadoso com a questão fiscal do que o Marcio [Pochmann]”, diz um economista próximo ao PT.

No Roda Viva desta segunda à noite, Carneiro contracenou com os economistas Persio Arida (coordenador do programa econômico de Geraldo Alckmin), Mauro Benevides (Ciro Gomes) e Bazileu Margarido (representando Marina Silva). Se Carneiro manteve a defesa de uma linha desenvolvimentista, a partir principalmente da criação de um orçamento próprio para investimentos, também é verdade que adotou um tom mais conciliatório. “Nós achamos que existe um problema fiscal e que o déficit [público] é uma das dimensões. A nossa diferença é o timing no qual você vai defender esse déficit. Estamos propondo que você zere o déficit em quatro anos, não dois”, afirmou o economista do PT no programa. “Nós não pretendemos, para financiar investimentos, aumentar o déficit. Nós pretendemos depois discutir como remanejar um conjunto de despesas importantes para fazer esses investimentos”.

Outro tema abordado por Carneiro foi a emenda constitucional sancionada pelo presidente Michel Temer que limita o crescimento do gasto público — e que o PT promete revogar caso volte ao poder. “Nós não concordamos com a regra do teto [de gastos] corrigida pela inflação. Tira completamente a flexibilidade, ela não é razoável numa economia em que você precisa ampliar os gastos per capita em educação e saúde e em que a Previdência vai crescer inevitavelmente [...] Então, primeiro é uma regra fiscal que para nós poderia ser a indexação pelo PIB (Produto Interno Bruto), porque isso mantém a carga tributária constante", declarou.

O tom menos radical foi percebido inclusive por especialistas que militam no espectro oposto do pensamento econômico. Para Fernando de Holanda Barbosa Filho, professor da Escola Brasileira de Economia e Finanças, da Fundação Getúlio Vargas, Carneiro tentou empreender uma “mudança retórica” no discurso do PT, mas que “não combina" com o programa que o partido vinha defendendo publicamente desde o início da campanha. “Ele não falou, por exemplo, do uso das reservas internacionais, algo que até do ponto de vista legal é complicado”, diz.

As declarações mais moderadas do economista do PT não foram a única sinalização recente de que, na área econômica, a campanha de Haddad terá cada vez menos a cara do ex-presidente do Ipea. Em sabatina na segunda, o presidenciável foi questionado sobre as opiniões de Pochmann, e tratou de diluir seu protagonismo: “O Marcio [Pochmann] é um professor, candidato a deputado federal e uma pessoa independente do ponto de vista intelectual. Ele participou [do programa de governo] como 300 outras pessoas participaram”.

Nesta quarta, quando questionado sobre o perfil de seu eventual ministro da Fazenda, Haddad disse que seu escolhido vai ter "perfil pragmático", "sem ser sectário". O perfil, segundo ele, é o dele mesmo. "Os economistas figurões são muito sectários, acham que são donos da verdade. Quando você está no Governo, tem de ter jogo de cintura, pragmatismo e flexibilidade para saber buscar a solução”, seguiu.

Mais Lula, menos Dilma
Como até o início da semana passada todas as atenções da campanha do PT estavam centradas na operação de substituição da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por Haddad, uma série de questões ficaram em segundo plano no comitê petista. Entre eles, quem seria o porta-voz da política econômica de um eventual retorno de um presidente do partido ao Palácio do Planalto.

Agora, Haddad passa a discutir com seus assessores econômicos os detalhes da mensagem que quer empunhar. A de que, apesar da polarização atual da sociedade brasileira, não está disposto a empreender uma aventura radical na condução da economia; que será fiscalmente responsável e planeja promover uma administração na qual os investidores tenham previsibilidade e segurança jurídica. "Não tem bicho-papão", resume um aliado do candidato.

O problema é encontrar uma maneira de fazer isso renegando o brusco ajuste fiscal promovido pela ex-presidenta Dilma Rousseff após a sua reeleição, quando a então mandatária escolheu para o ministério da Fazenda Joaquim Levy. Logo de largada e de forma oposta ao prometido na campanha, Levy propôs uma série de medidas de corte de despesas e de aumento de arrecadação, mas o tamanho do ajuste e a estagnação da economia — somados ao passado do então ministro como executivo do Bradesco e egresso do cânone neoliberal mundial, a Universidade de Chicago — geraram uma sucessão de crises com o PT e um choque de confiança com parte do eleitorado. Os atritos internos  culminaram, no final de 2015, com a demissão de Levy e a sua substituição por Nelson Barbosa. Até hoje setores do petismo não poupam Dilma pela guinada radical promovida por Levy.

Diante da necessidade de promover um equilibrismo no discurso, Haddad tem investido na linha que pode ser definida como "mais Lula, menos Dilma". Em entrevista nesta segunda, o candidato repetiu que considera a política econômica dos governos petistas até 2012 "praticamente irretocável", mas reconheceu que erros foram cometidos. "Em 2013 e 2014, a própria Dilma admite que algumas medidas ela não tomaria. [Ela] cita o caso das desonerações e da [revisão dos contratos no setor de] energia elétrica", disse Haddad. Soma-se a essa tímida autocrítica o controle dos preços dos combustíveis pela ex-presidenta para reduzir artificialmente a inflação.

Independentemente disso, permanece em aberto na campanha a pergunta: quem será capaz de conduzir esse aceno ao centro com credibilidade e sem incorrer num receituário como o de Levy que poderia ser lido como traição da base? Em 2002, quando se elegeu presidente pela primeira vez, Lula  fez uma "carta ao povo brasileiro" se comprometendo com o equilíbrio fiscal para acalmar os ânimos do mercado, que naquele ano estavam ainda mais voláteis do que agora. Ancorou-se num ministro da Fazenda político — Antonio Palocci — e num presidente do Banco Central — Henrique Meirelles — com longa carreira no setor financeiro e que naquele mesmo ano havia sido eleito deputado federal pelo PSDB. Até o momento, no comitê petista não há um economista com força suficiente para cumprir esse papel. Haddad sinaliza o rol para ele mesmo.

Compartilhe:

 
Copyright Editora MR 2007 © Jornal de Ibaiti. Designed by OddThemes