Navigation Menu

O filho do Tite e a meritocracia à brasileira

Tite é o melhor técnico do Brasil e merece continuar, mas, à revelia de seu discurso, não dá bom exemplo ao manter o próprio filho na seleção, replicando o velho nepotismo do futebol






Adenor Bachi, o Tite, seguirá no comando da seleção. Merecidamente. Apesar dos erros de percurso e a eliminação nas quartas de final da Copa, trata-se do melhor técnico brasileiro da atualidade. Com tempo de trabalho, tem condições de brigar pelo título no próximo Mundial. Acumulou mais acertos que deslizes. Porém, um deles se choca frontalmente com o discurso em que ele se coloca como um exemplo de conduta ética. No país de conchavos familiares e currais eleitorais hereditários, é uma coincidência no mínimo infeliz que o filho do treinador da seleção seja o escolhido como braço direito na missão pelo hexacampeonato. Um retrato da meritocracia à brasileira, que não raro se confunde com apadrinhamentos e nepotismo.

Para desavisados, que só conhecem o técnico pelo apelido, a figura de Matheus Bachi na comissão técnica da seleção pode passar batida. Aos 29 anos, ele é um dos auxiliares de Tite desde 2015, quando o pai ainda treinava o Corinthians. Depois de estudar nos Estados Unidos, ganhou um estágio no Caxias, clube que projetou a carreira do genitor, fez observações pelo futebol europeu e, em pouco tempo, cavou uma vaga na comissão corintiana. Tite o levou à seleção, mas, para isso, a CBF precisou desacatar seu incipiente Código de Ética, que vetava a contratação de parentes de qualquer funcionário. Diante da saia justa, a confederação remendou o estatuto e abriu exceção para integrantes do departamento de futebol.

Tite é firme ao defender seus valores. Ressalta que pretende ganhar com jogo limpo e honestidade. Não recuou do discurso moralizador nem mesmo depois de assinar um manifesto contra a CBF e, em seis meses, aceitar proposta para o cargo de maior prestígio da entidade. Justificou-se dizendo que treinar a seleção era a melhor contribuição que poderia dar no processo de reestruturação do futebol brasileiro após vexames nos gramados e escândalos de corrupção nos bastidores. Sobre o filho, não deixa transparecer constrangimentos, recorre ao argumento do “homem de confiança” e se mostra orgulhoso de ver o herdeiro iniciar a carreira ao seu lado. “Ele sabe que, desde o início da vida, ele vai carregar o peso de ser o filho do Tite. Mas ele não é o filho do Tite. Ele é o Matheus. Ele merece estar no lugar onde está.”

Como já deu a entender em algumas ocasiões, Tite sabe do peso que representa ser o técnico da seleção brasileira. Sabe do simbolismo do cargo, que suas decisões repercutem não só no futebol, mas em toda a sociedade. E é decepcionante que um sujeito cheio de boas intenções como Tite repita a desculpa de caciques da bola e da política ao enxergar apenas mérito e competência no favorecimento do próprio filho. A conjuntura aristocrática do país, que o treinador costuma criticar em entrevistas, está repleta de exemplos que ele jamais deveria seguir, inclusive dentro da CBF.

Gustavo Perrella, de 35 anos, foi alçado precocemente ao posto de diretor de desenvolvimento de projetos da confederação. Ele é filho do senador e ex-presidente do Cruzeiro, Zezé Perrella. Virou político apadrinhado pelo pai, que utilizou o clube celeste como trampolim eleitoral para sua candidatura a deputado estadual, nomeando-o, sem nenhuma experiência prévia em gestão esportiva, como vice de futebol da equipe. Depois de eleito, Gustavo sumiu do Cruzeiro em menos de um ano no cargo. Na época, Zezé nem se esforçou para destacar méritos profissionais do filho e admitiu o apreço pela prática de nepotismo: “Eu não faço média. Prefiro colocar uma pessoa em quem eu confio para trabalhar comigo.” Ambos são investigados pela Justiça por suspeitas de corrupção, como no escândalo de propina da JBS envolvendo o senador e amigo da família, Aécio Neves, e na utilização de verba indenizatória da Assembleia Legislativa mineira para abastecer o helicóptero apreendido com 445 quilos de cocaína em 2013.

Já Marcelo Aro, de 31 anos, é rebento de José Guilherme Ferreira Filho, neto de José Guilherme Ferreira e sobrinho de Elmer Guilherme Ferreira, que comandaram por vários anos a Federação Mineira de Futebol (FMF), mas foram afastados do poder após serem indiciados por formação de quadrilha, apropriação indébita e falsificação de documentos, além do insistente hábito de empregar parentes na instituição. Esse histórico pouco edificante não impediu que seu irmão, Adriano Aro, retomasse a presidência da FMF para a família em junho deste ano – antes, exerceu o cargo de secretário-geral da entidade e, ao mesmo tempo, por meio de seu escritório de advocacia, prestava serviços à própria federação que ajudava a administrar. Também não impediu que Marcelo, deputado federal pelo PHS, fosse indicado pelo parlamentar cassado, Eduardo Cunha, a quem o jovem político chegou a qualificar como “uma esperança de um país melhor”, à diretoria de ética e transparência da CBF, que teve seus últimos três presidentes afastados por denúncias de corrupção. Entre eles, Ricardo Teixeira, mandachuva da confederação por mais de duas décadas depois de se tornar dirigente sob as bênçãos do ex-sogro e ex-presidente da FIFA, João Havelange.

O ambiente que o cerca, marcado por favorecimentos de cunho familiar e uma explícita sistemática nepotista, não foi capaz de sensibilizar Tite. O filho Matheus poderia desfrutar da influência paterna para trilhar seu caminho em outros clubes, distante da sombra do pai. Durante a Copa, manteve um perfil discreto, cumprindo a função de analisar adversários e observar os jogos do Brasil das cabines. É possível que, apesar da juventude e a curta experiência no futebol, tenha virtudes que o credenciem a ser um treinador tão bom quanto o mestre no futuro, já que também foi um dos responsáveis por revigorar a seleção após a nova comissão assumir o time. No entanto, embora Tite assegure exigir mais de Matheus que dos outros auxiliares, quem garante que, numa hipotética detecção de falhas e incompetência, o pai teria discernimento suficiente para punir ou até mesmo demitir o filho?

A prática de nepotismo é tratada com normalidade no meio do futebol. Outros técnicos, como Paulo César Carpegiani, Dorival Júnior, Ramón Diáz e Carlo Ancelotti, uma das referências de Tite, também já se aproveitaram do status para dar um empurrãozinho nos filhos. Mas o treinador da seleção brasileira deveria ter passado sem essa. Afinal, ele estrelou campanhas publicitárias exibindo a imagem de bastião da ética e do comportamento íntegro, mas, na prática, contradiz seu discurso. O mundo corporativo, por onde Tite transitou com tamanha desenvoltura antes da Copa, começa a não achar mais normal conciliar meritocracia e parentesco, ao contrário da CBF, que apenas finge reger-se por princípios modernos de governança. Ao continuar empregando o filho na seleção, Tite falha em seu nobre, porém incoerente propósito de servir como um oráculo para o Brasil.